6.7.12

Resenha: Cidade dos Ossos (Os Instrumentos Mortais #1) - Cassandra Clare

Editora: Galera Record
Autora: Cassandra Clare
Titulo Original: City of Bones
Páginas: 459
Tempo de leitura: 4 dias

Ai Meu Deus! Inacreditável! Como isso aconteceu? Jesus, que perfeito! Jesus, que cruel! É com essa montanha russa de emoções, sentimentos e percepções que somos presentados na leitura de Cidade dos Ossos. Um livro excepcional!

Clary, ou Clarissa Fray, decide ir festejar a noite em uma boate de Nova York, Pandemônio, com seu amigo Simon. O lugar é caracterizado por conter muitos góticos. Mas ao contrário do que Clary pensava, a boate não era só um monte de gente com roupa estranha.

Ela acaba presenciando um acontecimento muito estranho, o assassinato de um jovem por três outros adolescentes e quando volta para casa, em vinte e quatro horas, a sua vida vira literalmente de cabeça para baixo. E ela acaba descobrindo fazer parte de um momento irreal e impossível.
Jace, Clary pensou, era  tipo de pessoa que gostava quando as coisas aconteciam mesmo que as coisas fossem ruins.
Eu amei em diversas vezes esse livro, como foi Jogos Vorazes ano passado, ele passou a ser a minha leitura do ano, ou pelo menos do segundo semestre, tomando o lugar que por enquanto era de Silêncio. O que o diferencia do livro de Becca Fitzpatrick é, sem dúvida, sua consistência e o enredo magnificamente e movimentado e cheio de fôlego, que se estende pelas quase quinhentas páginas.

Quando eu digo que o enredo tem muito fôlego, eu não estou mesmo mentindo. Estive vendo algumas resenhas negativas no Skoob dizendo que o livro quase não tinha ação e isso me fez pensar que a leitura pode ser relativa também. Será? Porque eu não entendo como essas não tenham visto a quantidade de ação, será que foi pouco para ela? Pois pra mim foi muito e esse primeiro volume quase vale como uma série toda de romances sobrenaturais adolescentes.

Em diversos momentos eu notei a semelhança do jeito como as coisa são colocadas no papel como capítulos de uma novela. Todos os capitulos têm um início, meio e fim, nenhum deixa de ter ação ou descobertas e por causa deste detalhe, comparei o ritmo rápido da obra com os capitulos de uma novela, que é enorme e sempre tem que ter uma boa distribuição de acontecimentos para não cair no marasmo e os episódios de uma série, que são muito menos e geralmente incluem diversos acontecimentos.

Algo que me cativou muito neste livro foi o carisma dos personagens. Sm! Eu amo uma mocinha boba e indefesa dos livros Jovem-Adulto, amo a Bella, a Nora, a Ivy e a Clary foi mais uma para fazer parte do meu hall de literary crush, ela não é completamente indefesa, mas também comete lá suas burradas e sofre bastante durante o livro. Personagens fascinantes como Alec, Isabelle, Luke, Hodge e o tão comentado Jace.
Levou um momento para Clary perceber que ele tinha acabado de falar, e outro para encontrar a sua voz.
—  Eu sinto muito, Jace. — Seus olhos cintilaram na escuridão.
— Eu não entendo porque mundanos sempre se desculpam por coisas que não são culpa deles.
— Não estou me desculpando. É uma maneira de enfatizar. De dizer que eu estou pesarosa por você estar infeliz. 
— Eu não estou infeliz. — Ele disse. — Somente as pessoas com nenhum propósito são infelizes. Eu tenho um propósito.
— Você quer dizer matar demônios, ou ter a vingança pela morte do seu pai?
— Ambos.
Algo que fica muito bem caracterizado em Cidade dos Ossos é a ação constante e ela está sim presente desde o começo. Cassandra não enrola com o primeiro capitulo, que geralmente contém descrições ou explicações maiores sobre a vida da personagem principal e os outros personagens. O encontro de Jace e Clary na Pandemônio acontece num pulo, a morte do garoto e a primeira vez que ela encontra os irmãos Lightwood também. 

Um dos fatos que contribuíram para que eu me apaixonasse perdidamente por C.D.O foi que o cenário principal do livro é a cidade de Nova York. E eu simplesmente amo a cidade e os livros que lá se passam. A Clary é ainda mais apaixonante sendo uma nova-iorquina, (risos). Durante todo o livro, Clare deixa claro que é em Nova York que o livro se passa, ao fazer os personagens andarem de Taxi e Metrô, além de falar sobre os bairros famosos como o Brooklyn e a ilha de Manhattan. 

Quando, em um livro, um dos combustíveis essenciais é o romance, para o casal principal, é OBRIGATÓRIO que exista uma senhora química entre eles. E, desde o começo, é visível que Jace e Clary tem química, os dois se comunicam muito bem e criam ótimos diálogos ao longo de todo o livro. Só que, Cassandra... Por que? Eu não entendo! <- Só entende quem leu o livro.

A personalidade de Jace é um dos pontos chaves do livro. É ele quem talvez impeça Clary de enlouquecer com questionamentos, é por causa de Jace que a equipe dos Shadowhunters (Nem falo a palavra em português. Caçador de Sombras é muito feio! É meio tipo Peter Pan, sabe?) não hesita em ir atrás de confrontos para poder conseguir a mãe de Clary de novo. Ele encanta as meninas com todo o seu atrativo físico e a mim chamou a atenção pelo sarcasmo, algo em que me identifico muito com ele. HAHA! Ainda tenho na cabeça as palavras de Isabelle: "Não faça nenhuma pergunta a ele se não quiser ouvir a resposta". Essa frase é tipo... Muito eu!

Enquanto alguns livros Jovem Adulto focam-se em anjos, outros em vampiros e outros em lobisomens, Cidade dos Ossos decidiu inovar, ou melhor, Cassandra Clare decidiu inovar ao trazer todo esse universo e adentrando todos numa generalização chamada Submundo, além de criar criaturas novas como os Renegados e os Shadowhunters!

A diagramação da Galera Record com esse livro é simplesmente algo impecável! A capitulação é linda e encontrei pouquíssimos erros que talvez tenham sido apenas da impressão e... A capa é aquela coisa linda, maravilhosa de Deus que todo mundo conhece, né? Aqueles brilhinhos podem representar a Visão de Clary, ora vindo, ora indo embora e até mesmo as marcas nos corpos dos S-Hunters. 

E é claro, eu não poderia gostar do livro se a escrita da autora também não fosse impecável. Cassandra usa palavras rebuscadas, sem elevar o livro à classificação adulta. Como ela é quem criou o Jace, o mérito das sacadas sarcásticas dele é completamente dela, assim como o enredo rápido e os personagens. Cassandra tem uma criatividade quem nunca foi e nem será subestimada.

Finalizando essa resenha enorme e linda de Cidade dos Ossos, este é um livro que vale muito ler a pena até o fim, sendo essa tarefa fácil e confortável. Tem personagens muito bons, enredo muito bem amarrado com acontecimentos no momento certo que te impedem de perder a vontade de ler. Nunca li um livro com quatrocentas-quase-quinhentas tão rápido antes e isto é uma prova de que a leitura é mais do que prazerosa. É emocionante e real! No final, você fica com sensação de dever cumprido e com muita vontade de ler Cidade de Vidro!
— Posso não acreditar em pecado — ele disse —, mas sinto culpa. Nós, Caçadores de Sombras, vivemos por um código, e esse código é inflexível. Honra, culpa, penitência, isso tudo é verdadeiro para nós, e não tem nada a ver com religião, e tudo com o que somos. Isso é o que eu sou, Clary — ele disse, alterado. — Sou parte da Clave. Está no meu sangue e nos meus ossos. Então me diga: se você está tão certa de que isso não foi minha culpa, então por que meu primeiro pensamento ao ver Abbadon não foi pelos meus companheiros, mas por você? — Ele levantou a outra mão; estava segurando o rosto dela, prendendo-o entre as palmas.— Eu sei, eu sabia que Alec não estava agindo normalmente. Sabia que alguma coisa estava errada. Mas a única pessoa em quem conseguia pensar era você...

10/10
Justificativa:
Um enredo muito bom e um livro que faz você ficar sem palavras na hora de dar a justificativa.

5 comentários:

  1. Ahh, Cidade dos Ossos!! Li super rápido também!! Foi aquela leitura que eu não conseguia largar rs A capa é tudo de bom mesmo, ficava que nem tonta virando a capa pros brilhinhos aparacerem mais rs Realmente o sarcasmo do Jace é o máximo haha E sim, PORQUE?!?! haha Fiquei louca pra ler Cidade das Cinzas quando terminei, mas só pode ler a continuação esse mês e agora estou super ansiosa para poder ler Cidade de Vidro rs ótima resenha!! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Hey, Matheus (: Ainda não li nenhum livro da série :X Mas estou super curiosa, ainda mais depois da sua resenha e da sua justificativa para a nota \o/ rs Vou tentar comprar. A capa é linda demais <3 Parabéns pela resenha, adorei. Beijos http://doceescrita.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Desde de que vi os livros da série Instrumentos Mortais estou com muita vontade de ler, mas nunca tinha lido uma resenha sobre, acredita? Pois é, fui seduzida pelas capas e pela sinopse. Mas, depois da sua resenha, só posso dizer que estou com ainda mais vontade de começar a série! Parece ser um livro interessante, bem escrito, com ótimos personagens, cenário bem descrito e um enredo excelente! Precisa de mais o que?

    Beijos
    http://trouxesteachave.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. A minha leitura não foi tão montanha-russa, mas eu foquei super animada com o final... Quase tive um ataque cardíaco :s KKKKK'
    Se tem uma coisa que eu não gosto é capítulo enorme! Talvez por isso eu não tenha ficado tão eufórica quanto você.
    Eu também adoro as mocinhas bobas e indefesas dos YA! Elas são tão chatas e sortudas (no amor, clrao KKK') que da até vontade de ser elas de vez em quando.
    Parabéns pela resenha, ficou enorme mas muito boa ;D

    Beijos
    Geê - almaleitora.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Steeph Cipriano Mellark4 de agosto de 2012 23:59

    Olá !
    Amoore,eu simplesmente a-m-o o Jace,tipo eu adoooooooooooooooooooro Instrumentos Mortais,eu choro,rio,grito junto com eles,eu devorei os 4 livros em 1 semaninha,e to relendo e to pretendendo comprar,por q eu tudo eu baixo no pc,tipo eu vivo relendo resenhas de Instrumentos Mortais,e eu ja to triste por que faltam apenas 2 livros pra essa série acabar,cara quando sair no cinema vai estourar.
    Estou ansiosa pra sair no cinema,só 1 ano de diferença.

    ResponderExcluir